• O que é interatividade – parte 2

    A magia da interação A professora e pesquisadora Lúcia Santaella, uma das principais divulgadoras do campo da semiótica do Brasil, sintetiza a interatividade pela interface da seguinte maneira: “Por intermédio de instrumentos materiais (tela, mouse, teclado) e imateriais (linguagem de comando), o receptor transforma-se em usuário e organiza sua navegação como quiser” (SANTAELLA, 2004, p. 163) […]

    Leia mais!

  • Jogos são arte? – Parte 1

    Sobre a premissa de que a arte deve transmitir uma mensagem. Em 2011, a indústria dos jogos digitais disponibilizaria no mercado um dos jogos mais aclamados e esperados daquele momento. Elder Scrolls V: Skyrim é um jogo estilo RPG em mundo aberto que permite aos seus jogadores experimentarem um mundo medieval fantástico através de combates […]

    Leia mais!

  • Como analisar jogos – parte 2

    Em busca de uma estratégia de análise – a discussão epistemológica. O professor Espen Aarseth apresenta em seu artigo “Playing research: methodological approaches to game analysis” diversos dilemas sobre o ato de se estudar e analisar jogos, procurando propor um início para esse percurso, sem a intenção de fechar todas as possibilidades. Acho prudente, para […]

    Leia mais!

  • Jogos são arte? – Parte 4 (final)

    São máquinas de produzir sentido. Tudo depende do game designer. Gonzalo Frasca também defende o game designer como um “autor” de uma obra digital (FRASCA, 2003). O exemplo que dá está em “The Sims”, onde é possível controlar seu avatar para ter um relacionamento com um outro do mesmo sexo. Note: o código do jogo foi […]

    Leia mais!